sexta-feira, 10 de janeiro de 2020

Quem foi Emil Vodder?


Por volta de 1930, os doutores dinamarqueses Emil Vodder e Estrid Vodder, trabalhavam na Riviera Francesa tratando de pacientes com sinusites e outros sintomas semelhantes. O casal notou que os pacientes tinham como característica comum os linfonodos estavam inchados. Devido ao pouco conhecimento a respeito do sistema linfático que tinham na época. O casal passou a pesquisar o sistema linfático para entender o que causava inchaço nos linfonodos. Enfim, em 1932 depois de estudar por diversas vezes o sistema linfático, percebeu que poderia estimular a movimentação das linfas através de movimentos manuais.


 A técnica de drenagem linfática manual foi criada pelo dinamarquês Emil Vodder e sua esposa Estrid Vodder, em 1936. A Drenagem linfática então tornou-se uns dos pilares no tratamento de linfedemas. Eles observaram que a maioria das pessoas quando apresentavam quadros de gripes crônicas, os linfonodos da região cervical aumentavam de tamanho (GODOY et al,2004). E começaram aplicar nessas pessoas determinados movimentos de estimulação física (massagem) e observaram uma melhora no quadro (GODOY et al,2004). E foi a partir dessas observações que desenvolveram a técnica de drenagem linfática manual (GODOY et al,2004). Em 1936 a técnica foi publicada em Paris e vários grupos passaram a incorporar esses conceitos. Um dos primeiros médicos que acreditou na técnica e incorporou em tratamentos de algumas patologias foi Asdonk. (GODOY et al,2004).

Segundo Vinyes (2005), nos últimos anos de sua vida, Vodder cedeu a representação de seu método à escola de Walchsee, na Áustria e ao professor Foldi na Alemanha. A grande demanda de aprendizagem da drenagem linfática manual tem dado lugar a outras novas escolas que colocam em prática o método, compartilhando conceitos, simplificando e destacando o essencial da drenagem linfática manual, tornando-o mais compreensível e facilitando sua aprendizagem. Em meados de 1967, foi criada a Sociedade de Drenagem Linfática Manual, a qual, a partir de 1976, foi incorporada à Sociedade Alemã de Linfologia. Entre os principais grupos que utilizam a técnica estão: Földi, Leduc, Asley-Smith, Nieto, Ciucci, Beltramino, Mayall e outros. Devemos salientar que tais grupos acrescentaram suas contribuições individuais, principalmente no tratamento de pacientes portadores do linfedema, porém mantiveram os princípios preconizados por Vodder (GODOY; GODOY, 2004).

Vodder nomeou duas linhas que delimitavam as áreas corporais:

-  A linha do sandwish, que dividia os membros superiores, o antebraço era dividido em face anterior e posterior e o braço em face antero-medial e póstero-medial. Nas pernas, tinha a linha da ferradura que era da linha inferior da região poplítea, ascendendo pela coxa, indo pelo glúteo até 1/3 inferior para superior da prega anal, descendo até a região infrapoplítea do outro membro. No tronco tem-se a linha média que divide o corpo em partes: direito e esquerdo, e a linha da cintura, que divide o abdômen e tronco em superior e inferior (BORGES, 2006).

A técnica de Vodder baseia-se em movimentos monótonos, lentos, suaves e rítmicos que respeitam o sentido do fluxo linfático superficial em direção ao terminal (subclavicular), onde termina a circulação linfática. Essas manobras fundamentais de Drenagem Linfática Manual foram publicadas por Vodder em 1936, quando passaram a ser denominadas e classificadas em círculos verticais, bombeamento, manobras de tração e de torção, conforme relatam Elwing e Sanches (2010 apud NAVEGANTES; CORRÊA; SANTOS, 2016).

O método de Vodder, realizado por uma pressão suave nos tecidos determinados e patologias, é concedido de forma lenta e repetitiva, não realiza o deslizamento sobre o tecido, mas empurra o tecido cutâneo promovendo um relaxamento. Segundo Vodder, a técnica é realizada sempre de distal para proximal do segmento e compreende em dois procedimentos básicos (BORGES, 2010):

- Captação: é realizado da linfa do interstício para os capilares linfáticos.

- Evacuação: promove a eliminação da linfa que está dentro dos vasos linfáticos, levando-os para a região de linfonodos que fica distal à região do edema, seguindo o sentido do fluxo da linfa.

O método Vodder apresenta quatro movimentos básicos da massagem de drenagem linfática manual, que são:

 - Círculos estacionários: os dedos são colocados de forma espalmada sobre a pele, movimentando-se igualmente com o mesmo tempo realizando círculos estacionários ou espirais contínuos, técnica muito utilizada em face, pescoço e linfonodos, esse círculo tem uma pressão digital entre 13 e 40 mmHg, que vai desde a fase inicial, até a metade do círculo, na fase seguinte, ou sendo na outra metade do círculo, a pressão é desfeita e o contato com a pele é mantido, até retornar ao ponto inicial (GUIRRO; GUIRRO, 2004).

- Bombeamento: nesta técnica utiliza-se o polegar juntamente com os outros dedos, movendo-os juntos na mesma direção, realizando círculos, as pontas dos dedos não são utilizadas, sendo todo o controle da técnica realizado pelo punho. Nesta técnica também a pressão só ocorre na primeira metade do círculo, na metade seguinte, tem-se apenas o contato, sem a pressão, de forma não contínua de compressão e descompressão (GUIRRO; GUIRRO, 2004).

 - Técnica de mobilização: este movimento é feito pela palma da mão, com o conjunto mão-punho. A face superior do arco entre o primeiro e segundo quirodáctilo da mão do terapeuta é apoiada na área que será drenada. Realizando um movimento conjunto de rotação externa e adução de ombro, toda a mão vai se adaptando ao tecido, finalizando na borda lateral da mão, os dedos estão relaxados e se movimentam acompanhando o movimento. O posicionamento das palmas das mãos deve estar perpendicular e às vias de drenagem, os movimentos se repetem de imediato na região adjacente à região manipulada, baseada em manobras que consistem em arrastar, combinando vários movimentos, e podem ser posicionadas proximal ou distal, seguindo sempre o fluxo da linfa (GUIRRO; GUIRRO, 2004).

- Técnica Rotatória: é realizada em superfícies corporais que são relativamente planas, consistindo em vários movimentos individuais; a palma da mão fica sobre a pele relaxadamente e se movimenta tocando com a parte antero-medial da mão, realizando um giro para posicionar a face antero-lateral da mão, iniciando sempre da borda interna da mão para a outra externa (GUIRRO; GUIRRO, 2004).


No Brasil, a esteticista Waldtraud Ritter Winter é a precursora da drenagem linfática manual Vodder. Ela fez o curso ministrado pelo próprio casal Estrid e Emil Vodder, na Alemanha, em 1969, na Escola de Estética Lise Stiébre. Após seu retorno ao Brasil, Waldtraud começou a colocar em prática seus novos conhecimentos em sua sala em um prédio comercial no centro de Belo Horizonte, onde tratava suas clientes de estética, incluindo a drenagem linfática em seus tratamentos. Ela pôde notar que suas clientes relaxavam com mais facilidade, conseguindo também resultados significativos no tratamento de stress e ansiedade (DEVILLA, s.d.)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atualizações do Instagram

SnapWidget · Free Widget