quarta-feira, 5 de fevereiro de 2020

Agora tenho Intolerância a Lactose! O que fazer?



Para quem foi diagnosticado recentemente com um quadro de intolerância à lactose, um termo começa a se tornar comum no seu vocabulário: enzima lactase.

A lactase é uma enzima essencial para a saúde de qualquer pessoa, já que ela é responsável pelo metabolismo de um dos açúcares mais comuns da nossa alimentação, que é a lactose. 

Uma enzima, em termos técnicos, é um catalizador orgânico de reações bioquímicas que acontecem em todo o nosso corpo. Elas, portanto, são responsáveis por manter ativas as reações que nos mantém vivos e que garantem o funcionamento de todo o metabolismo corporal, em todas as suas esferas.


São as enzimas que garantem a absorção e utilização de nutrientes que ingerimos, que quebram moléculas e que ativam o funcionamento de vários outros compostos bioquímicos que atuam em nossa saúde.

A lactase, portanto, é a enzima corporal responsável, basicamente, pelo metabolismo de um tipo de açúcar específico, chamado de lactose. A lactose, como você bem sabe, é encontrada em abundância nos produtos de origem láctea (como o leite e seus derivados). Ela é classificada como um dissacarídeo, ou seja, uma ligação de dois açúcares que, quando quebrados pela lactase formam moléculas de monossacarídeos de fácil absorção: a glicose e a galactose.

A função corporal da lactase, portanto, é garantir a quebra do dissacarídeo lactose em moléculas menores de açúcar, para que o organismo consiga utilizá-los como fonte de energia corporal.

A ausência da lactase no organismo resulta em um grande problema metabólico para o organismo humano. Sem ela, o dissacarídeo lactase não é quebrado em moléculas de fácil absorção e, por isso, a lactose é fermentada na região do intestino, causando os sintomas tradicionais e conhecidos da intolerância a esse açúcar: como a grande produção de flatulência, quadros de diarréia, distensão e desconforto gastrointestinal.

A longo prazo, a ingestão de lactose para o intolerante pode resultar em quadros ainda mais graves de lesão da mucosa intestinal, com consequências nutricionais, visto que a má-absorção de nutrientes se torna um sintoma recorrente.

A lactase, portanto, tem papel essencial na quebra da lactose pelo organismo e com sua ausência um tratamento imediato para a condição é a suspensão do consumo de alimentos fonte desse açúcar na dieta. Por isso é que leite e seus derivados se tornam alimentos que podem apresentar problemas ao intolerante à lactose.

Para quem foi diagnosticado recentemente com um quadro de intolerância à lactose, um termo começa a se tornar comum no seu vocabulário: enzima lactase.

A lactase é uma enzima essencial para a saúde de qualquer pessoa, já que ela é responsável pelo metabolismo de um dos açúcares mais comuns da nossa alimentação, que é a lactose. Mas você sabe exatamente o que é a enzima lactase, como ela age no organismo e qual a sua principal função? Contamos tudo sobre ela nesse artigo!
O que é uma enzima?

Antes de entender a função exata da lactase no seu corpo, é importante você compreender exatamente o que é uma enzima e qual o seu papel no metabolismo do organismo. Uma enzima, em termos técnicos, é um catalizador orgânico de reações bioquímicas que acontecem em todo o nosso corpo. Elas, portanto, são responsáveis por manter ativas as reações que nos mantém vivos e que garantem o funcionamento de todo o metabolismo corporal, em todas as suas esferas.

São as enzimas que garantem a absorção e utilização de nutrientes que ingerimos, que quebram moléculas e que ativam o funcionamento de vários outros compostos bioquímicos que atuam em nossa saúde.
O que é a lactase?

A lactase, portanto, é a enzima corporal responsável, basicamente, pelo metabolismo de um tipo de açúcar específico, chamado de lactose. A lactose, como você bem sabe, é encontrada em abundância nos produtos de origem láctea (como o leite e seus derivados). Ela é classificada como um dissacarídeo, ou seja, uma ligação de dois açúcares que, quando quebrados pela lactase formam moléculas de monossacarídeos de fácil absorção: a glicose e a galactose.

A função corporal da lactase, portanto, é garantir a quebra do dissacarídeo lactose em moléculas menores de açúcar, para que o organismo consiga utilizá-los como fonte de energia corporal.
Como ela atua na absorção da lactose?

A ausência da lactase no organismo resulta em um grande problema metabólico para o organismo humano. Sem ela, o dissacarídeo lactase não é quebrado em moléculas de fácil absorção e, por isso, a lactose é fermentada na região do intestino, causando os sintomas tradicionais e conhecidos da intolerância a esse açúcar: como a grande produção de flatulência, quadros de diarréia, distensão e desconforto gastrointestinal.

A longo prazo, a ingestão de lactose para o intolerante pode resultar em quadros ainda mais graves de lesão da mucosa intestinal, com consequências nutricionais, visto que a má-absorção de nutrientes se torna um sintoma recorrente.

A lactase, portanto, tem papel essencial na quebra da lactose pelo organismo e com sua ausência um tratamento imediato para a condição é a suspensão do consumo de alimentos fonte desse açúcar na dieta. Por isso é que leite e seus derivados se tornam alimentos que podem apresentar problemas ao intolerante à lactose.

A ausência da lactase pode ser tratada não apenas com a remoção da lactose da dieta, mas também com terapias de reposição dessa enzima no organismo. Essa reposição pode ser feita de maneira simples, via oral, com a ingestão de enzimas produzidas em laboratório.

A ingestão da lactase deve ser feita antes da ingestão de uma refeição preparada com produtos lácteos, garantindo sua ação nas moléculas de açúcar no momento em que elas chegam na mucosa intestinal. Dessa maneira, além de conseguir absorver os açúcares da maneira correta, o organismo não sofre com os sintomas tradicionais de uma intolerância à lactose.

É importante também conversar com seu médico antes de consumir estes suplementos, para certificar-se que seu problema é realmente a intolerância à lactose e não algum outro problema mais grave como a doença celíaca ou outras doenças gastrintestinais. Mulheres grávidas ou em fase de amamentação também devem seguir orientação médica antes de iniciar o uso desses suplementos.

Algumas pessoas relatam sentir desconfortos gastrintestinais, mesmo fazendo uso da enzima lactase. Neste caso lembre que raramente consumimos algum alimento lácteo puro, sem adição de outros ingredientes. A nossa capacidade digestiva muda de acordo com a quantidade de alimentos que ingerimos e também é afetada pelo tipo de alimento (mais ou menos gordurosos, por exemplo) e ainda pelo horário da refeição. Por isso, nem sempre o desconforto gastrintestinal que você sente pode ser um sinal que a enzima lactase não está fazendo efeito. Pode haver outros fatores influenciado o seu processo digestivo.

Nenhum fabricante recomenda o uso da enzima lactase para bebês. Alguns fabricantes recomendam o uso para crianças a partir dos 5 anos de idade. Existem leites sem lactose com formulação especial para bebês que, de acordo com a recomendação médica, poderão ser utilizados. Caso seu bebê tenha sido diagnosticado com intolerância à lactose ou alergia ao leite, é fundamental que você faça um acompanhamento com o seu médico e também com um nutricionista, pois a substituição do leite materno só deve ser feita em casos recomendados por um profissional da saúde!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atualizações do Instagram

SnapWidget · Free Widget